MULHERES EM CARGOS DE LIDERANÇA: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME O DIABO VESTE PRADA

Francisca Graziele Alves da Silva, Maria Luciana Militão, Rebeca da Rocha Grangeiro

Resumo


Este artigo possui como objetivo examinar características comportamentais e sacrifícios pessoais de mulheres que ocupam altos cargos em organizações de trabalho. Para tal, utilizamos a metodologia da análise fílmica, visto esta como metodologia dinâmica a qual favorece novas perspectivas de estudos e análises das produções cinematográficas. Acredita-se que a utilização de filmes como ferramenta de aprendizagem contribua para ampliação de competências reflexivas e críticas sobre fenômenos sociais e organizacionais. Dessa forma, analisamos o comportamento das personagens Miranda Priestly, representada por Meryl Streep e Andrea Sachs, representada por Anne Hathaway, em O Diabo Veste Prada. As cenas do filme mostram a intensa dedicação ao trabalho em detrimento do tempo devotado à família e amigos(as) entre mulheres que ambicionam desenvolvimento na carreira. Também foi possível identificar que estas mulheres aderem a comportamentos socialmente considerados como masculinos. Elas são mais duras no trato com as outras pessoas, falam de modo mais objetivo e direto. A obra de ficção demostra em inúmeros momentos a realidade social vivenciada por mulheres em altos cargos, seus sacrifícios e desafios do cotidiano.



Palavras-chave


Análise fílmica; Sacrifícios pessoais; Carreira feminina.

Texto completo:

PDF

Referências


AUMONT, Jacques, MARIE, M. A Análise do Filme. 2 ed. Lisboa. Texto e Grafia. 2004.

BERGAMINI, C. W. Liderança: a Administração de Sentido. Revista de Administração de Empresas, v.34, n.3, p.102-114, 1994. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rae/v34n3/a09v34n3.pdf

BRUSCHINI, C. Gênero e Trabalho no Brasil: novas conquistas ou persistência da discriminação? In ROCHA, M. I. B. da. (org.) Trabalho e Gênero: mudanças, 15 permanências e desafios. Campinas: ABEP, NEPO/UNICAMP e CADEPLAR/UFMG. São Paulo: Ed. 34, 2000, 384 p.

CARREIRA, D. Mudando o mundo: a liderança feminina no século 21. São Paulo: Cortez/Rede Mulher de Educação, 2001.

CARVALHO NETO, A. M.; TANURE, B.; ANDRADE, J. Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE-eletrônica, v. 9, n. 1, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/raeel/v9n1/v9n1a4.pdf

CARVALHO, R. O. Walter da Silveira: entre a crítica de cinema e a análise fílmica. Mediação, v.16, n.18, 2014. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/mediacao/article/view/2159/pdf_6

DERKS, B. et al. Gender-bias primes elicit queen-bee responses among senior policewomen. Psychological Science, v. 22, n. 10, p. 1243-1249, 2011. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0956797611417258

DIAS, M. A. M. J.; BORGES, R. S. G. Estilos de liderança e desempenho de equipes no setor público. REAd-Revista Eletrônica de Administração, v. 21, n. 1, p. 200-221, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/read/v21n1/1413-2311-read-21-01-00200.pdf

FRANÇA, A. R. Das Teorias do Cinema a Análise Fílmica. Salvador. 2002.

GARDINI, A. P. S., ARAÚJO, R., SILVA, M. A. B. da., & LEITE, N. R. P. (2014). Gestão de equipes à luz do filme “A gangue” está em campo. Anais dos Seminários em Administração FEA/USP, São Paulo, SP, Brasil, XVII. Disponível em: http://sistema.semead.com.br/17semead/resultado/trabalhosPDF/452.pdf

HRYNIEWICZ, L. G. C.; VIANNA, M. A. Mulheres em posição de liderança: obstáculos e expectativas de gênero em cargos gerenciais. Cadernos EBAPE. BR, v. 16, n. 3, p. 331-344, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cebape/v16n3/1679-3951-cebape-16-03-331.pdf

IPIRANGA, A. S. R. A narração fílmica como instrumento da ação formativa: um enfoque semiótico. Organizações & Sociedade, v. 12, n. 32, p.143-164, 2005. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaoes/article/view/10768/7716

LAUFER, J. Femmes et carrières: la question du plafond de verre. Revue Française de Gestion, [s.l.], v. 30, n. 151, p.117-128, 2004. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-francaise-de-gestion-2004-4-page-117.htm

KANAN, L. A. Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Organizações & Sociedade, v. 17, n. 53, p. 243-257, 2010. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaoes/article/view/11104/8017

MACIEL, H. W. P.; HELAL, D. H. “Detalhes de sua incompetência não me interessam”: o assédio moral no filme O Diabo Veste Prada. REAd-Revista Eletrônica de Administração, v. 23, p. 412-427, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/read/v23nspe/1413-2311-read-23-spe-412.pdf

MARANHÃO, C. S.; VILELA, J. R. P. X. A imanência entre a teoria crítica e a pesquisa empírica: contribuições para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, v. 24, n. 82, p. 476-490, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/osoc/v24n82/1413-585X-osoc-24-82-0476.pdf

MEDEIROS, C. R. O.; VALADÃO JÚNIOR, V. M.; POSSAS, M. C. “Quem mais veste Prada?” Psicopatas Corporativos e Assédio Moral no Trabalho. Revista ADM.MADE, v. 19, n. 1, p. 102-122, 2015. Disponível em: http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/admmade/article/viewFile/961/646

O DIABO VESTE PRADA. Direção: David Frankel. Roteiro: Aline Brosh Mckenna. Estados Unidos da América: Fox Film do Brasil, 2006. DVD.

OLTRAMARI, A. P.; LOPES, F. T. Cinema, trabalho, organizações e sociedade: possibilidades e formação em Administração. In: Anais do Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais, Belo Horizonte, 2016. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/163575/001018360.pdf?sequence=1

PANIZA, M. D. R.; MELLO NETO, G. A. R. Resenha: O diabo veste Prada - e é minha chefe: resenha fílmica sobre sofrimento no trabalho. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v. 2, n. 5, p. 1178-1205, 2015. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/3126

PINHO, A. P. D. Nem tão frágil assim: Um estudo sobre mulheres em cargos de chefia. 2005. 119 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Estudos Interdisciplinares de Comunidades e Ecologia Social, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

ROCHA-COUTINHO, M. L. Quando o executivo é uma “dama”: a mulher, a carreira e as relações familiares. In: FERES-CARNEIRO, T. Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas. (pp. 57-78). Rio de Janeiro: Ed. PUC - Rio; São Paulo: Loyola, 2003.

ROCHA-COUTINHO, M. L. Tecendo por trás dos panos: a mulher brasileira nas relações familiares. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

SCHEIN, V. E. MUELLER, R. LITUCHY, T. LIU, J. Think manager - think male: a global phenomenon? Journal of Organizational Behavior, v. 17, 33-41. 1996. Disponível em:

SCHERDIEN, C.; BORTOLINI, A. C. S.; OLTRAMARI, A. P. Relações de trabalho e cinema: uma análise do filme “que horas ela volta?”. Farol-Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v. 5, n. 12, p. 130-197, 2018. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/3874

SILVA, C. R. R.; CARVALHO, P. M.; SILVA, E. L. Liderança feminina: a imagem da mulher atual no mercado corporativo das organizações brasileiras. Educação, Gestão e Sociedade. 2017. Disponível em: http://uniesp.edu.br/sites/_biblioteca/revistas/20170509163857.pdf

VAINFAS, R. Trópico dos pecados: moral, sexualidade e inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

VAN VEELEN, R.; DERKS, B.; ENDEDIJK, M. D. Double Trouble: How being Outnumbered and Negatively Stereotyped Threatens Career Outcomes of Women in STEM. Frontiers in Psychology, v. 10, p. 150, 2019. Disponível em: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpsyg.2019.00150/full

VANOYE, F. GOLIOT-LÉTÉ, A. Ensaio Sobre Análise Fílmica. 2 ed. 1994.